quarta-feira, dezembro 29, 2010

8:00 AM

Uma lágrima escorre de meu rosto
nem de alegria, nem de tristeza.
A boca abre e a face estica
nem pra comer, nem pra beijar.
O corpo força e as juntas estralam
nem pra lazer, nem pra trabalhar.
Não penso em nada
nem no stress, nem no sonhar.
AAAhhhhhhhHHHnnn! que sono!
E assim continuo a estar.

sábado, dezembro 25, 2010

Merry x-mas

Feliz Natal meus queridos seguidores, me desculpem pela ausência, mas a partir desta semana voltarei a postar diariamente.

Take Care

quarta-feira, dezembro 08, 2010

Certo dia me perguntaram: Pq você se apaixonou? 
Eu repondi: Não sei… E talvez continue não sabendo. Eu simplesmente amo, acordo e vou dormir com ele ao meu lado e nos meus pensamentos... 

segunda-feira, novembro 22, 2010

AllWeNeddIsLove.

Dizem que a gente tem o que precisa. Não o que a gente quer. Tudo bem. Eu não preciso de muito. Eu não quero muito. Eu quero mais. Mais paz. Mais saúde. Mais dinheiro. Mais poesia. Mais verdade. Mais harmonia. Mais noites bem dormidas. Mais noites em claro. Mais eu. Mais você. Mais sorrisos, beijos e aquela rima grudada na boca. Eu quero nós. Mais nós. Grudados. Enrolados. Amarrados. Jogados no tapete da sala. Nós que não atam nem desatam. Eu quero pouco e quero mais. Quero você. Quero eu. Quero domingos de manhã. Quero cama desarrumada, lençol, café e travesseiro. Quero seu beijo. Quero seu cheiro. Quero aquele olhar que não cansa, o desejo que escorre pela boca e o minuto no segundo seguinte: nada é muito quando é demais.

domingo, novembro 21, 2010

Fuckin' Perfect


Fez uma curva errada
Uma ou duas vezes
Procurando meu caminho
Sangue e fogo
Más decisões
Tudo bem
Bem-vindo à minha vida idiota

Maltratado, esquecido, Mal entendido
Miss conhece, ele é tudo de bom
Não me deixe para baixo

Enganado, sempre adivinhando
Subestimado, olha ainda estou aqui

Por favor, não você nunca sente sempre
Como você é menos do que perfeita porra
Pretty pretty please, se você nunca sente sempre
Como você não é nada que você está dando perfeita, para mim

Você está tão média
Quando você fala, sobre si mesmo
Você está errado, mudar as vozes
Na sua cabeça
Torná-los como você e não
Tão complicado
Olha como nós estamos fazendo
Cheio de tanto ódio
Tal jogo amarrado
É o suficiente, eu fiz tudo que eu posso pensar
Eu tenho perseguido todos os meus demônios
Eu vejo você fazer o mesmo
Oooooh oooh

Por favor, não você nunca sente sempre
Como você é menos do que perfeita porra
Pretty pretty please, se você nunca sente sempre
Como você não é nada que você está dando perfeita, para mim

O mundo todo está com medo que eu engula o medo

A única coisa que deve ser potável é uma cerveja bem gelada
Tão legal em mentir e tentamos tentou tentou
Mas nós tentamos muito difícil, é um desperdício do meu tempo
Feito olhando para os críticos, porque eles estão em toda parte
Eles não gostam de meus genes, eles não recebem o meu cabelo
Stringe nós mesmos e fazemos isso o tempo todo
Por que fazemos isso?
Porque eu faço isso?
Porque eu faço isso?
Yeaaah
Ooooh

Por favor, não você nunca sente sempre
Como você é menos do que perfeita porra
Pretty pretty please, se você nunca sente sempre
Como você não é nada que você está dando perfeita, para mim
Você é perfeito
Você é perfeito

Pretty pretty please, se você nunca sente nunca como você não é nada que você está dando perfeita, para mim.


http://www.vagalume.com.br/pink/fuckin-perfect.html#ixzz15wqSWJIR

sexta-feira, novembro 19, 2010


Arnold: Bem, então por que?

Helga: Por que...por que eu talves não te odeie tanto quanto eu pensei, ok?
E talvez eu até muito que goste de você um pouco. Até pode se dizer que eu gosto bastante de você.

Arnold: Você gosta? Você fez isso por mim?

Helga: Isso mesmo, garoto do cabelo (...) criminoso! O que mais deve se fazer quando alguem que você ama está em perigo.

Arnold: Ama?

Helga: Você me ouviu camarada. Eu te amo. AMO. Quem mais você acha que vem te seguindo noite e dia, construindo santuarios para você no armario, enchendo varios livros com poemas sobre você.
Eu te amo Arnold. Eu sempre amei você, desde a primeira vez que eu olhei para essa sua cabeça de bigorna.

quarta-feira, novembro 17, 2010

segunda-feira, novembro 15, 2010

Pela Noite

Sentado no chão, as mãos nos pés. E todo aquele papo, todos aqueles toques, todos aqueles traumas, todos aqueles climas, todas aquelas cenas, tudo aquilo na noite feito um movimento vindo de fora para despertar o vivo de dentro, o vivo quieto, à espera apenas daquele justo toque exato (...) Tirou a roupa aos poucos. Completamente nu, começou a girar de braços abertos no meio da sala. Remoto, então, como se viesse do apartamento ao lado ou de baixo, de cima - talvez o de Lavínia, a lasciva, lembrou querendo rir, mas não conseguiu -, o som da campainha cortou o movimento. Uma voz que chega de longe. Navalha, alfanje, cimitarra. A cabeça ainda girava no meio da tontura quando entreabriu a porta para ver Santiago parado no corredor, mãos nos bolsos.
- Resolveu aceitar aquele chá, Santiago?
- Eu não me chamo Santiago - ele disse.
Não afastou o corpo para que o outro entrasse, Mas ele entrou. Fechou a porta às suas costas. Estendeu as duas mãos. Tocou-o nos ombros. De frente.
- Eu também não me chamo Pérsio. Portanto não nos conhecemos. O que é que você quer?
Ele sorriu. Estendeu as mãos, tocou-o também. Vontade de pedir silêncio. Porque não seria necessária mais nenhuma palavra um segundo antes ou depois de dizerem ao mesmo tempo:
- Quero ficar com você.
Provaram um do outro no colo da manhã.
E viram que isso era bom.

segunda-feira, novembro 08, 2010

Changes

E pra te falar ainda mais a verdade, eu acho mesmo, que você é a pessoa que eu esperei por um bom tempo. Você chegou e me levou embora. Levou embora o menino que tinha medo de sentir a vida e esperava uma salvação para tudo, mas quem sobrou agora é esse "desconhecido" que se conhece muito bem em suas bizarrices, lê jornais todos os dias, substituiu o preto pela cor do verão, tem uma mãe gente boa, ainda que maluca, adora os poucos e estranhos amigos, e não espera mais pelo cavalo branco, mas fica ansioso pelo início do seriado e, sabe agora, que está pronto para amar de verdade... 

domingo, novembro 07, 2010

Arnold: Oi, laço legal.
Helga: Hum?
Arnold: Eu gostei do seu laço, por que ele é Rosa assim como suas calças.

sábado, novembro 06, 2010

Do you...?

- O senhor acha que eu estou ficando maluca?

- Eu acho que sim. Você está maluca, pirada. Perdeu um parafuso. Mas eu vou contrar um segredo: As melhores pessoas são assim.

terça-feira, novembro 02, 2010

I saw everything

Quando percebi, estava olhando para as pessoas como se soubesse alguma coisa delas que nem elas mesmas sabiam. Ou então como se as transpassasse. Eram bichos brancos e sujos. Quando as transpassava, via o que tinha sido antes delas, e o que tinha sido antes delas era uma coisa sem cor nem forma, eu podia deixar meus olhos descansarem lá porque eles não se preocupavam em dar nome ou cor ou jeito a nenhuma coisa, era um branco liso e calmo. Mas esse branco liso e calmo me assustava e, quando tentava voltar atrás, começava a ver nas pessoas o que elas não sabiam de si mesmas, e isso era ainda mais terrível. O que elas não sabiam de si era tão assustador que me sentia como se tivesse violado uma sepultura fechada havia vários séculos. A maldição cairia sobre mim: ninguém me perdoaria jamais se soubesse que eu ousara.Ninguém me perdoaria se soubesse que eu sei o que elas são, o que elas eram.

segunda-feira, outubro 25, 2010

Just fine

No fim destes dias encontrar você que me sorri, que me abre os braços, que me abençoa e passa a mão na minha cara marcada, na minha cabeça confusa, que me olha no olho e me permite mergulhar no fundo quente da curva do teu ombro. Mergulho no cheiro que não defino, você me embala dentro dos seus braços e você me beija e você me aperta e você me aquieta repetindo que está tudo bem, tudo, tudo bem.

segunda-feira, outubro 18, 2010

Ses

Teu cheiro, teu jeito, teu medo! Te escuto, aprendo. Discuto e retorno aos seus olhos me perdendo novamente na ternura que sinto, apenas pelo fato de olhar. Desafiando a razão, uso e abuso do coração.

Pas de retour

Eu calaria a boca de todos que levaram minha luz e me deixaram na escuridão. Melhor: eu cegaria os olhos desses com uma luz que eles não seriam capazes nem de chegar perto.
Dos amigos que sempre tiveram medo da minha verdade, quando deveriam, na verdade, ter medo da mentira que faz o mundo parecer tão fácil de se viver. E os faz parecer tão incríveis e eu tão estranho. Olha lá ele. Eles diriam. Quem é ele? Não parece mais ele. O cabelo tomou jeito. O pé não cai mais para dentro. O bumbum arrebitou. A voz ta diferente e deixa tudo no mistério. Ele não se escancara mais. E assim eu voltaria. Sem precisar de ninguém, sem precisar de ombros, das mãos, da aceitação e das respostas de ninguém.
Eu prometi voltar queridos. Acordei todos os dias caminhando para essa volta. Me esfreguei no banho prometendo, esperando o dia em que eu trocaria de pele e sairia voando. Ouvi músicas e vi filmes de vitória, sonhando com o dia. Decorei falas, roupas, olhares, cheiros. Mas, infelizmente, isso nunca vai acontecer. Quanto mais eu me aproximo do que seria a minha volta, mais longe eu estou de querer voltar. Quanto mais eu me recupero do que doeu tanto, menos vontade eu tenho de causar dor em alguém. Esse desejo incontrolável de voltar é apenas a vida me dizendo para andar pra frente e não voltar nunca mais.

domingo, outubro 17, 2010

Contarás nos dedos os dias que faltam para que termine o ano... Não são muitos, - Pensarás com alívio.

sábado, outubro 16, 2010

and I have this things I'll never say...
Porque já não temos mais idade para, dramaticamente, usarmos palavras grandiloqüentes como "sempre" ou "nunca". Ninguém sabe como, mas aos poucos fomos aprendendo sobre a continuidade da vida, das pessoas e das coisas. Já não tentamos o suicídio nem cometemos gestos tresloucados.
Alguns, sim - nós, não.
“Eu constantemente sinto saudade das coisas que perco, mas não as quero de volta. Já doeu uma vez.”

sábado, outubro 09, 2010

Infância

O dia em que nos éramos 3, ele, ela e eu. Ele me empurrava forte no balanço do parque, minhas costas, meu coração batendo lento, minhas mãos assimilando todas as ferrugens, todos o choros, todos os tombos, todos os nossos joelhos para sempre ralados, nossos cabelos grudando na testa, todas as estrelas grudadas no teto, infância, nossas bocas sorrindo até o fim como o que ficou para trás, como o que nunca será redescoberto, como o que nunca mais voltará a ser três.

terça-feira, outubro 05, 2010






"Qual é a única coisa que você sempre sonhou em fazer antes de morrer?"

segunda-feira, outubro 04, 2010

Vivre comme la première fois

Agora só somo ao invés de substituir e viver ao invés de escrever.


: )

Ces choses

Algo me carrega pra perto, um algo infinitamente pequeno e solitário frente ao imenso e diversificado que carrego em relação a tudo. Isso, de estar por perto e poder ver, sempre me gela o coração e seca a boca, o que é uma besteira pois sem dramas ou dúvidas externadas seguimos.

sexta-feira, outubro 01, 2010

Ces lignes

É cansativo viver sem vírgulas porque eu respiro a sua existência 24 horas por dia, e só coloco vírgulas teatrais para você não enjoar de mim.
E fazendo isso, eu só consigo gostar mais ainda. Porque você enterrou meu sonho aprisionado pela perfeição e me libertou para vivê-lo.
E a gente vai por aí, se completando assim meio torto mesmo. E "deus" escrevendo certo pelas nossas linhas que se não fossem tão tortas, não teriam se cruzado.


Terre infinie

"Até o topo, até o céu, atolada, tô por aqui comigo. Cansada do meu vício de organizar tudo o que sou e de não deixar espaço para o novo, para o que eu poderia ser, para o que eu nem sei que é.
Queria agora que uma asa rasgasse as minhas costas porque, mais do que sentir a dor da liberdade, preciso não ter sexo, nem nome, nem tempo e nem casa. Preciso enxergar e sobrevoar o mundo sem ser eu, para que ser eu não seja este mundo tão pequeno e apavorado. Preciso ser qualquer coisa que eu não saiba.
Quero me chacoalhar e implodir essa rolha que me prende em mim, e me espalhar pelas terras, e banhar bostas, e acolher vermes, e alimentar tudo o que é rasteiro, tudo o que é pequeno, tudo o que não é, tudo o que é chão."

segunda-feira, setembro 27, 2010

Dear Jack.

Jack era ágil
Jack, ele era rápido
Jack poderia saltar por cima da vela

Agora, ele se foi e eu estou queimando
Sozinho
Sim, ele se foi e eu continuo queimando, oh não

Uma linda história incompleta
Ooh, como ele me balança

Sentado na minha janela
Achando que eu vou enlouquecer
Por que você só me leva até o meio do caminho para a lua

Eu não posso superar isso, superar isso
Baby depois de ter amado Jack
Não há volta, não há volta

Jack subiu a montanha
Para buscar um balde de água, mas houve um derrame
Todos desceram rolando, oh não

Puxado para o chão pela gravidade
Será que vai continuar a ser um mistério?

Sentado na minha janela
Achando que eu vou enlouquecer
Por que você só me leva até o meio do caminho para a lua

Eu não posso superar isso, superar isso
Baby depois de ter amado Jack
Não há volta, não há volta

Uma linda história imcompleta
Ooh, como ele me balança

Sentado na minha janela
Achando que eu vou enlouquecer
Por que você só me leva até o meio do caminho para a lua

Eu não posso superar isso, superar isso
Baby depois de ter amado Jack
Não há volta, não há volta

Oh não, não, depois de ter amado Jack
Não há volta

http://www.vagalume.com.br/pixie-lott/jack-traducao.html#ixzz10lAQvc9p

sexta-feira, setembro 24, 2010

Das coisas

Para os grandes, eu penso. E viro a cabeça pra pensar em outra coisa. É mais feliz gostar, amar é pra quem pode. Mas você ou a vida ou sei lá. Insiste. E então chega enorme. E só me resta rir que nem quando vejo um bebê muito pequeno e lindo. Você ri. Vai fazer o quê? É o milagre maravilhoso da vida e eu ficando brega e cheia de medo e cheia de vontade de te contar tantas coisas e nem sei se você gosta de ouvir meus atropelos.E então fico querendo não trair a beleza. Com você sinto a fidelidade de ser tranquilo. Um pacto de paz com o mundo. Pra não me afastar de você quando estou longe. E é impossível então que os martelos do apartamento do lado sejam realmente martelos. E é impossível que as chatices do dia sejam realmente sem solução. Ainda que eu quisesse, não consigo mais nem um centímetro pra você. 
Porque ocupa coisas nossas que nem existem nos sentidos conhecidos. É como tomar água morna depois de ter engolido um filtro inteiro de água geladinha. Ninguém nem pensa nisso. De um jeito que era mesmo o que eu achava que existia. 
O guarda-chuva na mochila. As borrachinhas do aparelho no canto da carteira. Sentir isso são os trocos que você guarda pra emergência. Amar grande é gastar reservas e ainda assim ter coragem pra dar o que não se tem. Amar grande é ter vertigem no chão mas sentir um chamado pra voar. Amar grande é essa fome enjoada ou esse enjôo faminto. É o soco do bem na barriga. É mostrar os dentes pra se defender mas acaba em sorriso. É o sal que carrego no fundo falso da bolsa pra quando eu não aguentar a vida. É o açúcar que carrego junto. É tudo que pode sair do controle. E os vários travesseiros pra me dizer que pode dar certo, que já está dando certo a um tempo. É o desespero aconchegante. É a vida agora, e muito depois também.

O que sobrou de Turim

"Tudo o que guardei são flashes, sensações, segundos, milímetros, frames. Não me lembro de nomes de ruas, não me lembro de preços de entradas tampouco de sobremesas e nem dos melhores restaurantes, não quero pesquisar sobre a exposição do momento no museu do momento. Quero apenas respirar fundo, fechar os olhos e lembrar da primeira vez que pisei na Europa. Lá vou eu. 
Perguntei ao taxista porque todas as janelas tinham cortinas verde. Perguntei sorrindo, tipo criança boba que de tão feliz vê magia em banalidades. Ele fechou a cara e respondeu que Torino era o melhor lugar do mundo. Eu vi que ele usava suspensório, boina, piteira e continuei sorrindo. Típico de uma turista mezzo loira, mezzo atrapalhada, dei 100 euros pra ele achando que eram 10 e ele me perseguiu 3 quadras pra devolver o dinheiro. Saiu me xingando. Eu continuei sorrindo. 
Ia ter um show na pracinha próxima ao meu hotel. Estava uma noite quente e rapazes vestidos com uma moda que misturava a máfia italiana com a última tendência em Berlim passaram por mim falando de forma tão viva que foi como se me enfeitiçassem. Tudo era estranho demais e ao mesmo tempo quase familiar, como um filme do Fellini. 
Naquele mesmo dia, só que a noite, me sentei num banco solitário bem no centro do Quadrilátero Romano, lugar onde se concentram restaurantes, bares, lambretas, casais de namorados, tipos bizarros com botas verdes por cima de calças roxas e algumas casas de show. Falei mal de todo mundo que passava mas, acho que pela primeira vez na vida, porque eu não tinha maldade nenhuma no coração.
Era a quinta vez que eu ia ao restaurante sem nome. Apenas um desenho de um gato negro na porta. Eu não aguento mais comer! Dizia em vão. E lá vinha o “nonno” com alguma degustação de pasta, de vino, de profiterole, de sei lá mais o quê. É de graça minha filha! Manja que ta fa bene! Lembrava da minha infância."


Assim são as coisas, consideradas poucas, porem memoráveis. Este é o sentimento de quase 3 meses atrás, o qual, ainda permanece.

Fuck it

Além dos meus espinhos eu tenho também muitas flores. Descubro coisas terríveis e maravilhosas a respeito do amor. As coisas são como são. E na hora certa. 
Como diria Milan Kundera “o amor começa por uma metáfora. Ou melhor: o amor começa no instante em que uma mulher se inscreve com uma palavra em nossa memória poética”. Como diria João Guimarães “o que é doideira às vezes pode ser a razão mais certa e de mais juízo”. Como diria ou gritaria ou uivaria Robert Plant “Com apenas uma palavra ela consegue o que veio buscar.
 E ela está comprando uma escadaria para o paraíso”. As coisas são como são. Na hora certa. E foda-se. 



: )

quarta-feira, setembro 22, 2010

Sometimes I just wanna runaway from homme
Get on the bus and actilly grow, grow on me... on you, grow on us.
Can't way the time to be free and run with you on my feet.
More sad, disappointed ... without being able to actually count with someone close enough ... family.
Just disappointed...

sábado, setembro 18, 2010

"A moment, a love
A dream aloud
A kiss, a cry
Our rights, our wrongs
A moment, a love
A dream aloud
A moment, a love
A dream aloud
So stay there
Because I’ll be coming over
And while our blood’s still young
It’s so young
It runs
And we won’t stop until it’s over
Won’t stop to surrender"
— the temper trap

*-*

terça-feira, setembro 14, 2010

Wish.

Como eu queria que você estivesse aqui, deitado na minha cama, ouvindo a sua voz, esquentaqndo meu pé na sua batata da perna...

Never again

Eu calaria a boca de todos que levaram minha luz e me deixaram na escuridão. Melhor: eu cegaria os olhos desses com uma luz que eles não seriam capazes nem de chegar perto.
Dos amigos que sempre tiveram medo da minha verdade, quando deveriam, na verdade, ter medo da mentira que faz o mundo parecer tão fácil de se viver. E os faz parecer tão incríveis e eu tão estranha. Olha lá ele. Eles diriam. Quem é ele? Não parece mais ele. O cabelo tomou jeito. O pé não cai mais para dentro. O bumbum arrebitou. A voz ta diferente e deixa tudo no mistério. Ele não se escancara mais. E assim eu voltaria. Sem precisar de ninguém, sem precisar de ombros, da aceitação e das respostas de ninguém.
Eu prometi voltar. Acordei todos os dias caminhando para essa volta. Me esfreguei no banho prometendo, esperando o dia em que eu trocaria de pele e sairia voando. Ouvi músicas e vi filmes de vitória, sonhando com o dia. Decorei falas, roupas, olhares, cheiros. Mas, infelizmente, isso nunca vai acontecer. Quanto mais eu me aproximo do que seria a minha volta, mais longe eu estou de querer voltar. Quanto mais eu me recupero do que doeu tanto, menos vontade eu tenho de voltar. Esse desejo incontrolável de voltar é apenas a vida me dizendo para andar pra frente e não voltar nunca mais.

segunda-feira, setembro 13, 2010

Month

Com você sinto a fidelidade de ser tranquilo. Um pacto de paz com o mundo. Pra não me afastar de você quando estou longe. E é impossível então que os martelos do apartamento do lado sejam realmente martelos. E é impossível que as chatices do dia sejam realmente sem solução. É amor, aquele amor nascendo, que já nasceu, e está crescendo. E como cresceu nestes, apenas, dois meses.
'Acho que a gente tem que vencer. Ou lutar. E ficar bem. Feliz. Criar. Fazer. Se mexer.'



sempre meu querido Caio, sempre.
62 anos.

Think about it.

- Não vim aqui para te dizer que 'não consigo mais viver sem você'. Eu consigo viver sem você... Eu apenas não quero.


*Sorry pela falta de postagens*

terça-feira, setembro 07, 2010

Crazy

Talvez eu tenha que chamar de “mundo” esse meu modo de ser um pouco de tudo. Eu, que sem nem ao menos ter me percorrido todo, já escolhi amar o meu contrário. Eu que jamais me habituarei a mim, estava querendo que o mundo não me escandalizasse. Porque eu, que de mim só consegui foi me submeter a mim mesmo, pois sou tão mais inexorável do que eu; eu estava querendo me compensar de mim mesmo... com uma terra menos desse jeito... que eu.

Hey Dad.

Ei pai, eu estou lhe escrevendo
Não para dizer que eu ainda o odeio
Apenas para perguntar "como você se sente?"
E como nós nos separamos, como isso desmoronou. Você é feliz lá fora neste mundo grande?
Você pensa sobre seu filho?
Você sente falta da sua menininha?
Quando você deita sua cabeça, como você consegue dormir a noite?

Você ao menos se pergunta se nós estamos bem?
Nós estamos bem!
Está sendo uma longa e dura estrada sem você do meu lado
Por que você não estava lá todas as noites que eu chorei
Você quebrou o coração da minha mãe e também quebrou a vida de suas crianças.
Não é ok, mas nós estamos bem
Eu recordarei os dias onde você era um herói em meus olhos
Mas aquilo era apenas uma memoria perdida
Eu gastei muitos anos aprendendo como sobreviver
Agora eu estou escrevendo apenas para você saber que eu ainda estou vivo
Os dias onde eu passei com frio, com fome, estava com ódio
Eu era irritado
As cicatrizes são profundas dentro deste corpo tatuado
Há coisas que eu vou levar para o túmulo, mas eu estou bem, eu estou bem

Algumas vezes
Eu perdoo
E desta vez
Eu vou admitir
Ei Pai...

segunda-feira, setembro 06, 2010

Always¹

Eu sempre me apaixono por você. Todas as vezes que te vi (que te vejo) eu sempre me apaixonei por você.




Take Care.
Ele respeitava muito o meu saber, que aos seus olhos, me envolviam como uma veste consagrada, e eu fazia de modo que os numerosos buracos não fossem mais visíveis.

Certas coisas não tem preço.

quinta-feira, setembro 02, 2010

Wake me up when september ends...

... por que eu só posso estar sonhando : )

Take Care

Introducing me

I'm good at wasting time
I think the lyrics need to rhyme
And you're not asking
But I'm trying to grow a mustache
I eat cheese
But only on pizza, please
And sometime on a homemade quesadilla
Otherwise it smells like feet to me
And I, I really like it when the moon looks like a toe nail
And I love it when you say my name
If you want to know, here it goes, gonna tell you
There's a part of me for show if it glows gonna let you see everything
But remember that you asked for it
I'll try to do my best to impress but its easy if I let you take a guess set the rest
But you wanna hear what lives in my brain and my heart, well you asked for it
For your perusing, at times confusing, slightly amusing
Introducing me
I never trust a dog to watch my food
And I don't like to use the word dude as a noun or an adverb or an adjective
And I, I never really been into cars
I like really cool guitars and superheroes and checks with lots of zeros on them
I like the sound of violins and making someone smile
If you want to know, here it goes, gonna tell you

Well you probably know more than you ever wanted to
So be careful when you ask next time
So If you want to know, here it goes, gonna tell you
There's a part of me for show if it glows gonna let you see everything
But remember that you asked for it
I'll try to do my best to impress but its easy if I let you take a guess set the rest
But you wanna hear what lives in my brain and my heart, well you asked for it
For your perusing, at times confusing, hopefully amusing
Introducing me...

Unnameable

Sentimentos... podem ser tão lineares e leves, verdadeiros e crescentes; assim como enlouquecedores e tortuosos, devastadores e impetuosos. Mas sabe, por mais que possa negar, é de sentimentos que vivo constantemente, afinal, o nome do blog é 'The Voice', e isso aponta quase que exclusivamente para a 'voz' do sentimento, do fundo psicológico de um certo todo. Se observarem postagens bem antigas notaram o quanto cresci em relação a eles, o quanto penso muito antes de agir, e o quanto aprendi a esconder certos sentimentos para me proteger, como se não acontecesse, bloqueasse. Mas sou como uma bomba relógio, explodirei em determinado tempo(o qual já teve uma pequena explosão), talvez conviver com certa ideia/pensamento/sentimento(chame como quiser) seja difícil, quero dizer, enlouquecedor. Como dize, sou quase puro sentimento, me desculpem, não consigo evitar, não mais. Não depois de uma vez estar com eles a mais do que o limite da flordapele.
Por mais difícil e complicado que seja, de tudo se aprende algo(tudo), então o que me resta é aprender, aprender e aprender. Como já dize uma vez e repetirei, é questão de tempo(e espaço de certo modo) para me "acostumar"(tem como?) com certas situações. Engraçado os rumos que a vida toma - Lih deve estar rindo de minha cara onde quer que esteja(haha). - 
Sei que estaras ali para me escutar e confortar sempre que for necessário, por que acredito que será necessário novamente em certo ponto; mas só quero que saibas que não consigo evitar(e espero que entendas meu lado), pois com o passar do tempo és muito importante para mim, és tão importante a ponto de eu não conseguir imaginar certas coisas(você sabe), sem mostrar incomodo. Novamente eu lhe peço perdão, por se tão assim, sentimental, frágil. Isso só resalta o quanto me importo e gosto de você. Não se preocupe comigo querido, não me causas dor alguma, no máximo quem faz isso sou eu mesmo. Você está aqui no coração, e sempre estará.


Take care.

quarta-feira, setembro 01, 2010

Dream

"...Sei que é meio idiota, mas gosto de pensar desse jeito, e se estou em pé no ônibus solto um pouco as mãos daquela barra de ferro para meu corpo balançar como se estivesse a bordo de um navio ou de você. Fecho os olhos, faz tanto bem, você não sabe. Suspiro tanto quando penso em você, (...). Caminho mais devagar, certo que na próxima esquina, quem sabe. Não tenho tido muito tempo ultimamente, mas penso tanto em você que na hora de dormir vezemquando até sorrio e fico passando a ponta do meu dedo no lóbulo da sua orelha e repito repito em voz baixa 'te quero tanto, dorme com os anjos'. Mas depois sou eu quem dorme e sonha, sonho com os anjos. Nuvens, espaços azuis, pérolas no fundo do mar. Clack! como se fosse verdade, um beijo."

segunda-feira, agosto 30, 2010

Siga o coelho Alice!

Vamos, de que serve chorar assim? - disse Alice a si mesma, asperamente.
- Aconselho você a parar com isso agora mesmo!
Ela geralmente dava conselhos muito bons a si própria...
























(embora raramente os seguisse) 

quinta-feira, agosto 26, 2010

A casa tá quietinha coitada, nem a geladeira estrala mais aquele tanto. Estão todos querendo que eu volte, mas ninguém vai me encher, ninguém vai me apressar. Alma não é sonâmbula, nem metade, nem sombra. Por isso mesmo que às vezes demora tanto. Mas um dia, quem sabe.

Storm.

Ao ouvir a tormenta se aproximar, resolvi me recludir no meu quarto; fora quando arrumei minha cama, percebi que, ali, lhe faltava algo, algo carinhoso, convidativo e sorridente. Senti sua falta, bem no lugar que ocupavas ontem a noite, e deparei-me recordando de cada palavra dita, falada com nada menos que o coração. Com os pequenos pingos de chuva, ali adormeci; E no meio da noite, novamente, sua falta me veio a tona, quando me virei na cama e não encontrei aquelas costas quentes. Me vi sozinho naquele, que pareceu no momento, um infinito de cama.
Sim querido, senti falta de suas mãos nas minhas, as quais se encaixam perfeitamente, de suas palavras sinceras, falta, do lugar que você ocupa, aqui, ao meu lado, e sempre ocupará; mas olho no relógio e são apenas 3:15 de uma noite sem você, me reviro mais uma vez, prendendo-me em seus vestígios da noite anterior.

Take Care my Dear.

quarta-feira, agosto 25, 2010

Glitter in the air

Já fechou os olhos e confiou, apenas confiou?
Alguma vez você já atirou um punhado de brilho no ar?
Alguma vez você já olhou o medo nos olhos e disse ''Eu apenas não me importo''?

É só a metade depois do ponto sem retorno
A ponta do iceberg, o sol antes de queimar
O trovão antes do raio, o fôlego antes da frase
Você já se sentiu assim alguma vez?

Alguma vez você já se odiou por ficar olhando o telefone?
Sua vida inteira esperando pelo toque para provar que você não está só...
Alguma vez você já recebeu um toque tão suave que te fez chorar?
Alguma vez você já convidou um estranho para entrar?

É só a metade depois do ponto de esquecimento
A ampulheta sobre a mesa, a caminhada antes da corrida
O suspiro antes do beijo, o medo antes das chamas
Você já se sentiu assim alguma vez?

Alguma vez você já desejou uma noite interminável?
Laçou a lua e as estrelas e puxou a corda firmemente?
Alguma vez você já prendeu a respiração e se perguntou
''Será que vai ficar melhor do que hoje a noite''?
Hoje a noite...

terça-feira, agosto 24, 2010

New ones.

Uma vez já me foi dito que, ficar com uma pessoa para esquecer outra é lembrar da mesma em dobro, e sim, já vivenciei isso e é a mais pura verdade. Então querido, não pense nisto pois, jamais cometo o mesmo erro duas vezes. E você sabe, você saberia o que estaria acontecendo, pois tens este dom de saber exatamente o que se passa em minha mente, até por que, nunca fui bom em esconder sentimentos. Amor sempre será amor se for realmente verdadeiro, disto você e eu, não podemos fugir, é inevitável, não podemos controlar; mas temos um ao outro, e não para distorcer memórias passadas, e sim para criar muitas novas.


Take Care.

quinta-feira, agosto 19, 2010

The guy.


E pra te falar ainda mais a verdade, eu acho mesmo, que você é a pessoa que eu esperei por um bom tempo. Você chegou e me levou embora. Levou embora o menino que tinha medo de sentir a vida e esperava uma salvação para tudo, mas quem sobrou agora é esse "desconhecido" que se conhece muito bem em suas bizarrices, lê jornais todos os dias, substituiu o bege pela cor do verão, tem uma mãe gente boa, ainda que maluca, adora os poucos e estranhos amigos, não espera mais pelo cavalo branco, mas fica ansioso pelo início do seriado e, talvez, esteja pronto para amar de verdade... 

quarta-feira, agosto 18, 2010

"E sem ninguém saber, em segredo, cada vez mais: acreditava, acreditava."

That night

Sentado na cama, admiro Jack dormir tranquilamente aos meus pés enquanto faço meus trabalhos de DML. O CD acabou e a Taylor Momsen já não grita mais "I'm falling all over myselfff", e como me sinto tão aconchegado e quente na cama, não me levanto, e o silêncio impera as 2:00 horas da manhã de uma segunda, após um longo e ótimo fim de semana e duas noites com você.
No meio da tentativa frustrada de fazer as benditas linhas do terrorista, escuto barulhos no telhado, presto maior atenção, e falo para mim mesmo, ou quem sabe para o sonolento Jack... "chuva", pequenos pingos de chuva dispersos no telhado, produzindo um som que quase me hipnotiza; Jack se move, ajeitando-se em meus pés, enquanto crio um mundo em minha mente, deixando as linhas de lado e pensado em outras... naquelas curvas.

segunda-feira, agosto 16, 2010

What you see is what you get.

(...)
Sou apenas aquele garoto que coloca 'Reação em cadeia', misturado com 'Justin Nosuka', para escrever e fazer trabalhos. Apenas aquele garoto que fica muito tenso em filme de terror e salta junto com alguma coisa que aparece do nada no escuro. Just that boy que conseguiu pela 1° vez, sem expulsar, ficar com alguém por mais de 24 horas direto. Apenas aquele garoto que tem um passado, que já esqueceu, aprendeu com os erros, e não quer olhar para traz novamente, e não pelo motivo que vá machucar novamente, ou algo do tipo, e sim pelo simples fato de querer seguir em frente sem que sintam pena ou outro sentimento semelhante, sem ficar taxado de 'coitado'. Então meu querido, já vistes com teus próprios olhos como e o que sou, não tenho nada a lhe esconder, nada. Acho que, infelizmente minha vida é assim, puro tédio mesmo, sem muito o que contar, talvez até sem muito o que mostrar... me desculpe.

sexta-feira, agosto 13, 2010

E quando eu estou com você eu me sinto... uma pessoa melhor. Eu me sinto mais feliz, menos sozinho... menos solitário.

quarta-feira, agosto 11, 2010

Dormir 24 horas foi a maneira mais delicada que encontrei de não perturbar o equilíbrio de vocês – que é muito delicado. E também de não perturbar o meu próprio equilíbrio – que é tão ou mais delicado.

Sometimes

Sinto-me um intruso, só as vezes, como se tivesse chegado, entrado em sua vida e dilacerado tudo que estava acontecendo e mudado certos rumos, que penso, talvez tivesse sido melhor sem mim. São apenas devaneios que, em uma fração de segundo, me pego pensando em um dia como hoje, tranquilo e calmo, sem muitos movimentos. Culpa talvez, daquela dor de cabeça que ainda insiste em aparecer. Acredito que seja informação de mais, um tipo de adaptação do cérebro. rs’
Mas mal vejo a hora daquela mensagem chegar e definir a hora do nosso encontro mais uma vez.

Up!


Bed time.

Às vezes você é tão bobo, e me faz sentir tão bobo, que eu tenho pena de como o mundo era bobo antes da gente se conhecer. E eu descobri que vale a pena ficar três horas te olhando deitado na cama mesmo que o dia esteja explodindo lá fora. E quando não sei mais o que sentir por você, eu respiro fundo perto da sua nuca, e começo a querer coisas que eu nem sabia que existiam. 

Long time ago.

Minha cabeça pulsava de certa forma que parecia que iria explodir sobre aquele caminho diário. Não tinha dores de cabeça a um bom tempo atrás, tanto tempo que tinha me esquecido de sua intensidade. Mas foi na esquina seguinte que vi, que avistei novamente aqueles olhos, como mágica lá estava você, risonho e com um sorriso que eu, de certa forma, já tinha me programado a esquecer. É tão irônico, pois, pensei que nossa ligação já havia se desfeito a um bom tempo atrás, bom tempo mesmo, mas quando "necessário"... lá estavam aqueles olhos de novo. Se não fosse seu destino, teria ficado ali, por horas, sem se quer perceber o passar delas. Mas... sabemos muito bem que nosso destino já fora traçado, e não podemos voltar atrás... não queremos. Por este, e infinitos outros motivos, disse, mais uma vez para você(para mim) "Adeus". E assim continuei meu caminho, agora, sem aquele peso, sem aquela dor.

segunda-feira, agosto 09, 2010

Hands

Have you ever wondered how can two hands fit so perfectly?
Every line, every bone, every small detail flawlessly matched... I have. I wonder everyday how holding your hand would make me feel complete. You held my hand in the softest of ways, our fingers clinging gently to each other's heart. We were growing happiness between our thumbs as our skin lines came together like jigsaw pieces. You looked at me and smiled with that crooked smile of yours which makes you so special to me. I smiled back, and put my head on yours shoulder.
Have you ever wondered why we fall in love? I have. I wonder... everyday.

sábado, agosto 07, 2010

"Fico quieto. Primeiro que paixão deve ser coisa discreta, calada, centrada. Se você começa a espalhar aos sete ventos, crau, dá errado. Isso porque ao contar a gente tem a tendência a, digamos, “embonitar” a coisa, e portanto distanciar-se dela, apaixonando-se mais pelo supor-se apaixonado do que pelo objeto da paixão propriamente dito. Sei que é complicado, mas contar falsifica, é isso que quero dizer. Quanto mais não-dita, melhor a paixão."
"E tem o seguinte, meus senhores: não vamos enlouquecer, nem nos matar, nem desistir. Pelo contrario: vamos ficar ótimos e incomodar bastante ainda."

quarta-feira, agosto 04, 2010

August

"Para atravessar agosto é preciso antes de mais nada paciência e fé. Paciência para cruzar os dias sem se deixar esmagar por eles, mesmo que nada aconteça de mau; fé para estar seguro, o tempo todo, que chegará setembro — e também certa não-fé, para não ligar a mínima às negras lendas deste mês de cachorro louco. É preciso quem sabe ficar-se distraído, inconsciente de que é agosto, e só lembrar disso no momento de, por exemplo, assinar um cheque e precisar da data. Então dizer mentalmente ah!, escrever tanto de tanto de mil novecentos e tanto e ir em frente. Este é um ponto importante: ir, sobretudo, em frente."

terça-feira, agosto 03, 2010

Those words

- Nem pense nisso! - grito para mim mesmo em silêncio.
- Não se atreva a  falar tais palavras.
Ou pelo menos, não agora, no começo do meio do caminho(isso faz sentido?); eu sei, ele sabe... nós sabemos, é cedo para certas palavras. Mas admito que fora difícil, pois a vontade foi tão grande que meus lábios chegaram a se mover para pronunciar as palavras, e nesse exato momento entrei em uma briga feia entre a razão e aquele momento mágico que, independente de alguma coisa, será eterno; lutei bravamente, mas não dize, pois pensei "é cedo, para ele, é cedo... não estraga". Tudo tem seu tempo, sabemos, e o dia chegará... talvez, até mais cedo do que esperamos querido, talvez até mais cedo.

domingo, agosto 01, 2010

"A gente finge que arruma o guarda-roupa, arruma o quarto, arruma a bagunça. Tira aquele tanto de coisa que não serve, porque ocupar espaço com coisas velhas não dá. As coisas novas querem entrar, tanta coisa bonita nas lojas por aí. Mas a gente nunca tira tudo. Sempre as esconde aqui, esconde ali, finge para si mesmo que ainda serve. A gente sabe. Que tá curta, pequeno, apertado. É que a gente queria tanto. Tanto.
Acredito que arrumar a bagunça da vida é como arrumar a bagunça do quarto. Tirar tudo, rever roupas e sapatos, experimentar e ver o que ainda serve, jogar fora algumas coisas, outras separar para doação. Isso pode servir melhor para outra pessoa. Hora de deixar ir. Alguém precisa mais do que você. Se livrar. Deixar pra trás. Algumas coisas não servem mais. Você sabe. Chega. Porque guardar roupa velha dentro da gaveta é como ocupar o coração com alguém que não lhe serve. Perca de espaço, tempo, paciência e sentimento. Tem tanta gente interessante por aí querendo entrar. Deixa. Deixa entrar: na vida, no coração, na cabeça."

sábado, julho 31, 2010

Saturday

Noto que ele estava com um olhar focado no nada, e a boca contraída...
- Em que você está pensando? - pergunto olhando-o nos olhos, agora, focados em mim.
- Estava me perguntando, onde você estava esse tempo todo - ele responde me olhando, com os lábios quase tocando os meus.
- Estava te esperando - com um pequeno beijo respondo, e sorrio de canto.
- No meio do caminho - ele diz retribuindo o pequeno e significativo beijo.
- Exatamente no meio do caminho - falo acariciando seu rosto, e deito minha cabeça em seu peito.
Ficamos ali encostados na cama por um bom tempo, entre beijos e pequenos diálogos; e foi em um daqueles momentos que percebi que estávamos no lugar certo, você em minha vida e eu na sua.

sexta-feira, julho 30, 2010

It is time

Ontem estava uma noite bonita na pracinha dobrando a esquina de casa. Eu tenho uma amiga que é tão morena e bonita e brilha. E quando percebi, estava agarrado ao seu cabelo grande, perguntando dez vezes por segundo, como já fiz tantas outras vezes: e se eu não puder, de novo? Quando eu vou poder? Será que um dia… 
E ela, com mil anos a menos de perguntas do que eu, me disse como quem diz “então vou indo”. Ela disse: goste menos. Por favor, já está na hora, goste menos. 
E então foi devolvida ao seu carro. Sobrou o meu lá no fim da pracinha. Estava tudo tão iluminado na volta pra casa. Estava um silêncio de todo mundo e então não dava aquele oco no meio da cabeça. Estava um friozinho de condomínio de crianças que se penduram protegidas. E eu me ensinando, me encaixando, me acomodando. Só dessa vez, goste menos. Já está na hora. Menos. Por favor. Já está na hora...

quarta-feira, julho 28, 2010

segunda-feira, julho 26, 2010

Silence

- Fale alguma coisa. - você diz.
- Você é sempre assim, tão quieto? - você pergunta.
Bom, digo que é a hora de certos esclarecimentos, hora de botar tudo para fora, acabar com o silêncio. Muita coisa para ser dita, e poucas palavras para descrever.
Sabe quando fico quieto, não se preocupe, meu pensamento está logo ali, e não em outro lugar. Quando fico te olhando, não estou analisando e sim apenas esperando o momento que os nossos olhares se encontrem e você consiga absorver exatamente tudo que está passando em minha mente, assim, sem trabalho algum. Ai, quem sabe, você iria entender o por que do silêncio, da 'distância'. Iria perceber o quão apavorado eu fico, o tanto de medo que eu tenho.
Talvez não aparente , mas, as vezes não passo de um pequeno menino assustado aqui dentro; um menino que tem medo de ser 'quebrado' novamente; um menino que não terá força suficiente para se levantar se mais uma vez cair. Então entenda que a solução que esse pequeno e frágil garoto encontra para se proteger é um certo 'anulamento'. Está ali lutando bravamente contra certos sentimentos que se dizem fortes; os quais um dia já tivera e perdera tão facilmente; Ali no fundo ele se cala, e espera, espera para ter a certeza de que é seguro 'sair novamente', para que ele possa se mostrar por completo e não só superficialmente, pois podes ter certeza, que ele é muito mais, muito mais que poucas palavras.
E te peço que não penses que és o 'problema', também estou aqui, também faço parte. Mas sabe aquele medo?! Ele de certo modo, com o passar do tempo, está diminuindo; com cada encontro de olhar e cada carícia feita, ele um dia se dissipará por completo.
A cada conversa futura mencionada, não penso o pior, apenas penso "Isso, vamos conversar por favor. O menino aqui dentro é um ótimo ouvinte e tem tanta coisa para te falar." Então querido, não se preocupe com os silêncios, eles são para o bem daquele menino assustado; preocupas-te, talvez, com as palavras ditas, pois estas, nunca serão ditas em vão. Que seja doce querido, que seja doce.

sábado, julho 24, 2010

"Porque chega uma hora em que você tem que escolher a vida. Eu talvez não saiba bem ainda o que isso significa, mas é claro, para mim que a hora desta escolha é agora, está acontecendo."

The night

Ali, foi ali que percebi; entre aqueles lábios contraídos e aquele olhar meio vago com pensamentos frutíferos, eu entendi... pela primeira vez eu entendi que pertencia ali, a tudo...

quinta-feira, julho 22, 2010

How we call it, anyway?

Como é mesmo aquela palavra? Aquela palavra sabe...? Faz tanto tempo que não sinto que até me desacostumei, odeio esquecer. Na verdade já fazia um bom tempo que nada sentia. Mas fiquei me perguntando em certa parte da tarde hoje, o que você estaria fazendo, onde estaria, e se talvez estivesse se fazendo as mesmas pequenas perguntas.
Ah... "c", não, não era com "c"... enfim, eventualmente me lembrarei.
Fiquei relembrando e, ri, ri de como seu "mau humor" me entrete, de como sempre vens me falar qualquer coisa, por mínima que seja; de como seus amigos (agora meus também) são especiais.
Claro, como pude me esquecer... Saudade, era isso que estava sentindo, uma simples saudade aqui dentro.

*Only Exception

Quando eu era jovem
Eu vi minha mãe chorar
E amaldiçoei o vento
Ela partiu seu próprio coração
E eu assisti enquanto ela tentava o recompor

E a minha mãe jurou que
Ela nunca mais se deixaria esquecer
E foi nesse dia que eu prometi
Que eu nunca cantaria sobre amor
Se ele não existia

Mas querido,
Você é a única exceção

Talvez eu saiba, em algum lugar
No fundo da alma
Que o amor nunca dura
E temos que arranjar outros meios
De seguir em frente sozinhos
Ou ficar com uma cara séria

E eu sempre vivi assim
Mantendo uma distância confortável
Até agora
Eu tinha jurado a mim mesmo que eu estava contente
Com a solidão

Porque nada disso algum dia valeu o risco, mas
Mas você é a única exceção

Você é a única exceção
Você é a única exceção
Você é a única exceção
Você é a única exceção
Você é a única exceção
Você é a única exceção
Você é a única exceção
Você é a única exceção

E eu estou a caminho de acreditar.
Oh, e eu estou a caminho de acreditar.

quarta-feira, julho 21, 2010

*Dialogo

(...)Ele evidentemente não gostou da minha tentativa de fazer humor.
- Bom, de qualquer modo, há muito com que se preocupar, mas no final tudo vale a pena.
Ele assentiu de má vontade e eu sabia que ele não concordava comigo em nada.
Estiquei o pescoço para sussurrar em seu ouvido, pousando a bochecha em sua pele quente.
- Sabe que amo você.
- Eu sei - sussurrou ele, o braço apertando automaticamente minha cintura. - Sabe o quanto eu queria que isso fosse o suficiente.
- Sim.
- Sempre estarei esperando - prometeu ele, num tom mais leve e afrouxando o braço. Afastei-me com uma sensação melancólica, sentindo aquilo me dilacerando ali ao lado dele. - Você sempre terá esta segunda opção se quiser.
Fiz um esforço para sorrir, e repeti novamente.
- Te amo.
Ele com seu sorriso de canto, meio tímido, meio complicado, meio... dele, falou. - Eu gostaria de ser o suficiente, só isso. - Permaneceu com seu sorriso e andou mata adentro sumindo na escuridão.

domingo, julho 18, 2010

Us

São dias como hoje que me fazem pensar, e é engraçado, por que até hoje eu não sei exatamente se o meu “pensar” é bom, saudável, por assim dizer. Diante de tais circunstancias, para mim, é inevitável não pensar em tudo, tudo. Não estava brincando quando mencionei minhas neuras, sim, elas existem.
Mas fora meus devaneios de domingo, já fazia um longo tempo que não me sentia, assim, feliz. Tudo finalmente está indo para seu devido lugar, minha vida novamente começou a tomar seu rumo. Atrevo-me a dizer que foi no exato momento após que vislumbrei aquele olhar, aqueles olhos castanhos completamente concentrados e aquele sorriso luminoso, mas, tímido. E aqui estamos depois de tantos tropeços e buracos sem fundo, nos apoiando um no outro; tocando a vida e sendo felizes, me atrevo a dizer novamente, uma vez mais. Nos conhecemos, eu sei... e você também sabe.

sábado, julho 17, 2010

Star

Acabo de chegar em casa e ver tudo diferente. Ainda estou fechando os olhos e tentando encontrar a parte mais quente das suas mãos. Ainda estou com este riso bobo na cara, matando a saudade de ter quinze anos e uma vida linda pela frente. Pode ser mesmo que isso passe, pode ser que amanhã eu acorde e você tenha ido embora. Ainda assim, ainda que amanhã chegue para estragar tudo, poder chegar em casa e ver tudo diferente já são milhões de quilômetros rodados. Zilhões. Você não sabe, nem sonha, mas você acaba de zerar minha vida. Minha vida era acordar todos os dias e sentir aquele gosto ruim na boca. Minha vida era vestir a armadura e relembrar com dor pela milésima vez todos os últimos podres de todas as pessoas podres que passaram ultimamente pela minha vida. Você acaba de zerar tudo. Com a parte mais quente das suas mãos, com o seu jeito de se desculpar por falar demais e balançar os pés, você acaba de me salvar. Este texto é pra te falar uma coisa boba. É pra te pedir que não tenha medo de mim. Sabe esses textos que eu publico aqui? Sabe esses textos falando que eu sei disso e sei daquilo? Eu não sei de nada. Eu só queria ser salvo das pedras, eu só queria aprender a pegar carona nas ondas. Eu só queria que isso que eu tô sentindo agora durasse mais. Eu só queria poder chegar em casa e ver tudo diferente. Ver tudo bonito. Ver tudo como de fato é. E você salvou tudo. O mundo está lindo. Não tenha medo de mim. Eu só queria que esta minha vontade de perdoar o mundo durasse. E você salvou meu dia, minha semana. E salvar meu dia já são zilhões de quilômetros. Não tenha medo deste texto. Não tenha medo da quantidade absurda de carinho que eu quero te fazer. Nem de eu ser assim e falar tudo na lata. Nem de eu não fazer charme quando simplesmente não tem como fazer. Nem de eu te beijar como se a gente tivesse acabado de descobrir o beijo. Nem de eu ter ido dormir com dor na alma o fim de semana inteiro por não saber o quanto posso te tocar. Não tenha medo de eu ser assim tão agora. Nem desse meu agora ser do tamanho do mundo. Eu estou tão cansado de assustar as pessoas. E de ser o máximo por tão pouco tempo. E de entregar tanta alma de bandeja pra tanta gente que não quer ou não sabe querer. Mas hoje eu não odeio nenhuma dessas pessoas. E hoje eu não me odeio. Hoje eu só fecho os olhos e lembro de você me pedindo para ter tempo para você. Tudo o que eu mais queria, por trás de todos esses meus textos tão "modernos", sarcásticos e malandros, era de alguém que me pedisse para ter tempo. Você tem. Todo. Talvez você pense que não merece este texto. Há quanto tempo mesmo você me conhece? Algumas semanas? Mas você merece sim. Hoje, depois de muito tempo, eu acordei e não me olhei no espelho. Eu não precisei confirmar se eu era eu. Eu acordei tendo certeza. Não tenha medo. Eu sou só um menino bobo com medo da vida. Mas hoje eu não tenho medo de nada, eu apenas fecho os olhos e lembro de você falando. Eu posso sentir isso de novo. Que bom. Achei que eu ia ser esperto pra sempre, mas para a minha grande alegria estou me sentindo um idiota. Sabe o que eu fiz hoje? As pazes com o SecondHand Serenate, com o Bob Dylan. As pazes com os casais que se balançam abraçados enquanto não esperam nada, as pazes com as pessoas que não sabem ver o que eu vejo. E eu só vejo você me "ensinando a dar estrela". Eu só vejo você enchendo minha vida de estrelas. Se você puder, não tenha medo. Eu sou só um menino que voltou a ver estrelas. E que repete, sem medo e sem fim, a palavra estrela no mesmo parágrafo. Estrela, estrela, estrela. Zilhões de vezes.

True

Eu sou sim a pessoa que some, que surta, que vai embora, que aparece do nada, que fica porque quer, que odeia a falta de oxigênio das obrigações, que encurta uma conversa besta, que estende um bom drama, que diz o que ninguém espera e salva uma noite, que estraga uma semana e tira as correntes da cobrança do meu peito. Que acha todo mundo meio feio, meio bobo, meio burro, meio perdido, meio sem alma, meio de plástico, meio bomba. E espera impaciente ser salvo por uma metade meio interessante que me tire finalmente essa sensação de perna manca quando ando sozinho por aí, maldizendo a tudo e a todos. Eu só queria ser legal, ser bom, ser leve. Mas dá realmente pra ser assim? Dá, eu digo, especialmente agora.

LookBook.nu

<!--BEGIN HYPE WIDGET--><script src="http://ajax.googleapis.com/ajax/libs/jquery/1.4.2/jquery.min.js" type="text/javascript"></script><script src="http://lookbook.nu/look/widget/1474853.js?include=hype&size=medium&style=button&align=center"></script><div id="hype_container_1474853"></div><!--END HYPE WIDGET-->