segunda-feira, novembro 22, 2010

AllWeNeddIsLove.

Dizem que a gente tem o que precisa. Não o que a gente quer. Tudo bem. Eu não preciso de muito. Eu não quero muito. Eu quero mais. Mais paz. Mais saúde. Mais dinheiro. Mais poesia. Mais verdade. Mais harmonia. Mais noites bem dormidas. Mais noites em claro. Mais eu. Mais você. Mais sorrisos, beijos e aquela rima grudada na boca. Eu quero nós. Mais nós. Grudados. Enrolados. Amarrados. Jogados no tapete da sala. Nós que não atam nem desatam. Eu quero pouco e quero mais. Quero você. Quero eu. Quero domingos de manhã. Quero cama desarrumada, lençol, café e travesseiro. Quero seu beijo. Quero seu cheiro. Quero aquele olhar que não cansa, o desejo que escorre pela boca e o minuto no segundo seguinte: nada é muito quando é demais.

domingo, novembro 21, 2010

Fuckin' Perfect


Fez uma curva errada
Uma ou duas vezes
Procurando meu caminho
Sangue e fogo
Más decisões
Tudo bem
Bem-vindo à minha vida idiota

Maltratado, esquecido, Mal entendido
Miss conhece, ele é tudo de bom
Não me deixe para baixo

Enganado, sempre adivinhando
Subestimado, olha ainda estou aqui

Por favor, não você nunca sente sempre
Como você é menos do que perfeita porra
Pretty pretty please, se você nunca sente sempre
Como você não é nada que você está dando perfeita, para mim

Você está tão média
Quando você fala, sobre si mesmo
Você está errado, mudar as vozes
Na sua cabeça
Torná-los como você e não
Tão complicado
Olha como nós estamos fazendo
Cheio de tanto ódio
Tal jogo amarrado
É o suficiente, eu fiz tudo que eu posso pensar
Eu tenho perseguido todos os meus demônios
Eu vejo você fazer o mesmo
Oooooh oooh

Por favor, não você nunca sente sempre
Como você é menos do que perfeita porra
Pretty pretty please, se você nunca sente sempre
Como você não é nada que você está dando perfeita, para mim

O mundo todo está com medo que eu engula o medo

A única coisa que deve ser potável é uma cerveja bem gelada
Tão legal em mentir e tentamos tentou tentou
Mas nós tentamos muito difícil, é um desperdício do meu tempo
Feito olhando para os críticos, porque eles estão em toda parte
Eles não gostam de meus genes, eles não recebem o meu cabelo
Stringe nós mesmos e fazemos isso o tempo todo
Por que fazemos isso?
Porque eu faço isso?
Porque eu faço isso?
Yeaaah
Ooooh

Por favor, não você nunca sente sempre
Como você é menos do que perfeita porra
Pretty pretty please, se você nunca sente sempre
Como você não é nada que você está dando perfeita, para mim
Você é perfeito
Você é perfeito

Pretty pretty please, se você nunca sente nunca como você não é nada que você está dando perfeita, para mim.


http://www.vagalume.com.br/pink/fuckin-perfect.html#ixzz15wqSWJIR

sexta-feira, novembro 19, 2010


Arnold: Bem, então por que?

Helga: Por que...por que eu talves não te odeie tanto quanto eu pensei, ok?
E talvez eu até muito que goste de você um pouco. Até pode se dizer que eu gosto bastante de você.

Arnold: Você gosta? Você fez isso por mim?

Helga: Isso mesmo, garoto do cabelo (...) criminoso! O que mais deve se fazer quando alguem que você ama está em perigo.

Arnold: Ama?

Helga: Você me ouviu camarada. Eu te amo. AMO. Quem mais você acha que vem te seguindo noite e dia, construindo santuarios para você no armario, enchendo varios livros com poemas sobre você.
Eu te amo Arnold. Eu sempre amei você, desde a primeira vez que eu olhei para essa sua cabeça de bigorna.

quarta-feira, novembro 17, 2010

segunda-feira, novembro 15, 2010

Pela Noite

Sentado no chão, as mãos nos pés. E todo aquele papo, todos aqueles toques, todos aqueles traumas, todos aqueles climas, todas aquelas cenas, tudo aquilo na noite feito um movimento vindo de fora para despertar o vivo de dentro, o vivo quieto, à espera apenas daquele justo toque exato (...) Tirou a roupa aos poucos. Completamente nu, começou a girar de braços abertos no meio da sala. Remoto, então, como se viesse do apartamento ao lado ou de baixo, de cima - talvez o de Lavínia, a lasciva, lembrou querendo rir, mas não conseguiu -, o som da campainha cortou o movimento. Uma voz que chega de longe. Navalha, alfanje, cimitarra. A cabeça ainda girava no meio da tontura quando entreabriu a porta para ver Santiago parado no corredor, mãos nos bolsos.
- Resolveu aceitar aquele chá, Santiago?
- Eu não me chamo Santiago - ele disse.
Não afastou o corpo para que o outro entrasse, Mas ele entrou. Fechou a porta às suas costas. Estendeu as duas mãos. Tocou-o nos ombros. De frente.
- Eu também não me chamo Pérsio. Portanto não nos conhecemos. O que é que você quer?
Ele sorriu. Estendeu as mãos, tocou-o também. Vontade de pedir silêncio. Porque não seria necessária mais nenhuma palavra um segundo antes ou depois de dizerem ao mesmo tempo:
- Quero ficar com você.
Provaram um do outro no colo da manhã.
E viram que isso era bom.

segunda-feira, novembro 08, 2010

Changes

E pra te falar ainda mais a verdade, eu acho mesmo, que você é a pessoa que eu esperei por um bom tempo. Você chegou e me levou embora. Levou embora o menino que tinha medo de sentir a vida e esperava uma salvação para tudo, mas quem sobrou agora é esse "desconhecido" que se conhece muito bem em suas bizarrices, lê jornais todos os dias, substituiu o preto pela cor do verão, tem uma mãe gente boa, ainda que maluca, adora os poucos e estranhos amigos, e não espera mais pelo cavalo branco, mas fica ansioso pelo início do seriado e, sabe agora, que está pronto para amar de verdade... 

domingo, novembro 07, 2010

Arnold: Oi, laço legal.
Helga: Hum?
Arnold: Eu gostei do seu laço, por que ele é Rosa assim como suas calças.

sábado, novembro 06, 2010

Do you...?

- O senhor acha que eu estou ficando maluca?

- Eu acho que sim. Você está maluca, pirada. Perdeu um parafuso. Mas eu vou contrar um segredo: As melhores pessoas são assim.

terça-feira, novembro 02, 2010

I saw everything

Quando percebi, estava olhando para as pessoas como se soubesse alguma coisa delas que nem elas mesmas sabiam. Ou então como se as transpassasse. Eram bichos brancos e sujos. Quando as transpassava, via o que tinha sido antes delas, e o que tinha sido antes delas era uma coisa sem cor nem forma, eu podia deixar meus olhos descansarem lá porque eles não se preocupavam em dar nome ou cor ou jeito a nenhuma coisa, era um branco liso e calmo. Mas esse branco liso e calmo me assustava e, quando tentava voltar atrás, começava a ver nas pessoas o que elas não sabiam de si mesmas, e isso era ainda mais terrível. O que elas não sabiam de si era tão assustador que me sentia como se tivesse violado uma sepultura fechada havia vários séculos. A maldição cairia sobre mim: ninguém me perdoaria jamais se soubesse que eu ousara.Ninguém me perdoaria se soubesse que eu sei o que elas são, o que elas eram.

LookBook.nu

<!--BEGIN HYPE WIDGET--><script src="http://ajax.googleapis.com/ajax/libs/jquery/1.4.2/jquery.min.js" type="text/javascript"></script><script src="http://lookbook.nu/look/widget/1474853.js?include=hype&size=medium&style=button&align=center"></script><div id="hype_container_1474853"></div><!--END HYPE WIDGET-->